Voltar

Dia do comerciário: Conheça mais sobre este dia

Existem profissões extremamente importantes que, infelizmente, nem sempre são lembradas com carinho em nosso dia-a-dia. E é justamente para refletir sobre a importância de determinados ofícios que contamos com algumas datas comemorativas no Brasil como, por exemplo, o Dia do Comerciário.

Por mais que algumas pessoas acreditem que nosso país tenha datas comemorativas demais, esses períodos são necessários para refletirmos sobre alguns acontecimentos. Afinal de contas, o dia rememorativo de toda profissão conta com uma história e significado importante por trás.

Acontece que a grande maioria das pessoas não conhecem os verdadeiros motivos que levaram a determinadas se tornarem comemorativas para algumas profissões. Por mais que nem todas sejam consideradas como feriados, por exemplo, ainda assim possuem relevância em diversos lugares do país.

Neste artigo, você irá conhecer um pouco mais sobre o Dia do Comerciário que, comemorada no fim do mês de outubro, faz alusão a um período de luta no país. Além disso, falaremos também sobre a história e até mesmo as confusões feitas pela população em relação a esta data comemorativa.

Dito isso, pegue logo o seu caderno de anotações ou abra o bloco de notas do celular e venha conferir um pouco mais sobre o assunto.

Entendendo a origem do Dia do Comerciário

Comemorado no dia 30 de outubro, o Dia do Comerciário faz alusão a uma classe de trabalhadores que praticamente fazem a roda da economia girar em pequenas e grandes cidades brasileiras. Afinal de contas, quem não conhece um amigo, colega ou parente que se dedica de corpo e alma para manter o seu próprio comércio?

Para entender a origem da data comemorativa, é necessário compreender os fatos acontecidos no longínquo ano de 1908, quando diversos profissionais criaram a chamada União dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro. No entanto, engana-se quem pensa que somente os comerciantes estavam incluídos nesse grupo, que abrangia muitos mais profissionais.

A União era formada por caixeiros (como eram chamados aqueles que trabalhavam no comércio na época), guarda-livros, escriturários e outros. Estes se uniram justamente com o objetivo de ir contra os abusos e formas de escravidão que eram impostos por meio dos comerciantes, ou seja, patrões.

Por mais que o significado da data comemorativa, hoje em dia, já não seja de conhecimento geral da população, ainda sim permanece muito importante. Afinal de contas, estamos falando de um movimento que reuniu não apenas milhares de pessoas décadas depois como, também, fez com que um presidente tivesse de se pronunciar.

O dia de luta do comerciário

Segundo relatos históricos, na manhã do dia 29 de outubro de 1932, diversos caixeiros, ou seja, empregados do comércio, se reuniram ao longo do Largo da Carioca, um famoso espaço público do Rio de Janeiro. Os profissionais vinham de ruas próximas como, por exemplo, a Rua do Ouvidor e Gonçalves Dias.

Com o passar do tempo, não eram somente os caixeiros que estavam aglomerados no local. Membros do Lloyd Brasileiro, companhia estatal de navegação do Brasil, sócios da União dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro, também se juntaram ao movimento no centro público.

Ferroviários da Central do Brasil, bancários, professores e até mesmo jornalistas se reuniram no ato organizado pelos caixeiros do Rio. Juntos, partiram em direção ao Catete, como era chamado o palácio do Governo Federal na época, antes da construção de Brasília, em uma marcha trabalhista.

O que começou com um grupo de empregados do Comércio do Rio se transformou em um verdadeiro ato de trabalhadores de diferentes classes. Mais de 5 mil pessoas se reuniram em frente à “casa do presidente”, na época Getúlio Vargas, que precisou tomar providências frente ao apelo popular.

Getúlio Vargas assina a lei trabalhista que vira base para o Dia do Comerciário

Dado o fervor em frente ao Palácio do Governo Federal, o presidente da república Getúlio Vargas decidiu agir. Ele recebeu os trabalhadores na sacada do Catete e, naquele dia, assinou uma das leis trabalhistas mais importantes da história do país, a qual não se limitou apenas aos caixeiros da época.

O Decreto Lei de número 4.042, de 29 de outubro de 1932 trouxe uma maior regulamentação para a jornada de trabalho. A carga horária, que na época era de 12 horas por dia, passou por uma redução significativa e foi para 8 horas – o que é comum até os dias de hoje.

A luta de empregados do comércio do Rio de Janeiro acabou se estendendo para todos os trabalhadores do país. Estes também passaram a ter suas jornadas de trabalho regulamentadas, de forma a prevenir e evitar o abuso – que era justamente a peça central da criação da União dos Empregados em 1908.

Apesar de ter sido uma histórica e importante luta por direitos da classe comerciária, a data comemorativa só veio a surgir décadas mais tarde. O Dia do Comerciário foi instituído a partir da lei de número de 12.790, de março de 2013, para 30 de outubro – dia após a assinatura da lei trabalhista por Vargas.

A importância da data comemorativa

Desde então, o Dia do Comerciário é compreendido como uma data de comemoração e reflexão sobre o histórico dia em que os caixeiros do Rio de Janeiro se uniram com outras classes profissionais e simplesmente mudaram as leis trabalhistas do Brasil. Tudo em busca de uma maior qualidade para os próprios trabalhadores.

No país, os empregados e empreendedores do setor do comércio possuem uma importância gigantesca para a economia. É por eles que passam uma parte considerável dos números econômicos do Brasil, visto que estão presentes em todas as cidades, desde as maiores metrópoles até os menores municípios do interior.

Por mais que seja considerado um feriado nacional, não são todos os profissionais que adotam o dia de paralisações. Isso, no fim das contas, acaba dependendo muito de empreendedor para empreendedor. Sendo assim, não necessariamente haverão empreendimentos que fecharão no dia 30 de outubro.

Todavia, trata-se de uma data histórica marcada por uma grande revolução em relação às leis de trabalho no país. Graças a força dos caixeiros empregados do comércio, profissionais de todas as áreas puderam desfrutar de mudanças mais saudáveis e justas para os trabalhadores.